sexta-feira, 27 de março de 2009

- Meditar é Viver!



* Por Adriana Pimentel

Quem atualmente não anda apressado, “acelerado” com um número imenso de afazeres, instabilidade e preocupações. É o trabalho, são as tarefas diárias de cuidado com o lar, cuidado com os filhos, cuidado de se manter um padrão social, cuidado, cuidado...Enfim, de eternas cobranças da sociedade e de si mesmo. Toda essa correria do mundo moderno nos causa tensões, dores das mais variadas e principalmente uma sensação de que não temos tempo, de que não estamos dando conta...

A meditação é uma prática relativamente simples ela vem conquistando muita gente, principalmente nós ocidentais, utilizando como uma maravilhosa ferramenta de auxílio ao auto-conhecimento, ao equilíbrio, a paz... Que vai atuar justamente na redução do estresse e aliviando tensões e outros inúmeros benefícios.


Nesses termos afirma-se que meditar não é bom apenas para a mente – ela também melhora a saúde. É o que demonstram mais de mil estudos sobre essa prática milenar realizados em alguns dos mais expressivos centros de pesquisa científica do mundo, como o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), a Universidade de Harvard e a Universidade da Califórnia. Eles comprovam que meditar... • Reduz o risco de infarto e derrame cerebral. • Reforça o sistema imunológico.• Reduz ainda emoções destrutivas, como medo e raiva.• Aumenta a produção de hormônios calmantes e reduz o nível de cortisol, o hormônio do estresse. • Alivia a insônia. • Melhora a percepção e a memória.

"A meditação é um processo de descoberta dos recursos interiores. Em seus níveis mais profundos, pode revelar a essência divina que cada um possui e que é fonte inesgotável de poder, força, paz e conhecimento".

“O tempo que esses efeitos levam para ocorrer varia de pessoa a pessoa e tem pouco a ver com a duração da seção. O que conta, dizem os especialistas, é a firmeza de propósito, a disciplina e a constância.´Meditar é como um exercício físico. É melhor fazer 15 minutos todos os dias do que duas horas no fim de semana´, orienta Walter Morita, professor de meditação do Centro Shambhala Brasil de Meditação e Estudos Budistas.”

Há muitas técnicas que conduzem a mente à tranqüilidade. Elas podem ser divididas em quatro grupos com diferentes focos.


• Foco em objeto, imagem ou som. Há as práticas hinduístas e budistas que utilizam como foco sons (mantras), cores ou formas geométricas. Os praticantes focalizam um ponto e fazem com que pensamentos e emoções se direcionem a ele.

• Foco no corpo. É o caso das técnicas que se concentram na respiração, nas batidas do coração ou na pulsação do corpo. Por exemplo, no zazen, do budismo japonês, os praticantes focalizam a atenção na entrada e na saída do ar. No tantrismo, prática hinduísta, se concentram nas pulsações e, no taoísmo, baseado na filosofia chinesa, no batimento cardíaco.

• Foco na reflexão. Os praticantes meditam a respeito de determinadas qualidades, como perdão, compaixão e amor incondicional.

• Foco na devoção ou na fé. O foco da meditação são divindades, o próprio Deus, orações ou textos sagrados. Exemplo: meditação cristã e bhakti-ioga.

Como começar esta prática?


Escolha um horário que não atrapalhe seu cotidiano nem sirva de desculpa para não meditar. As melhores opções são antes do nascer e do pôr-do-sol, porque nesse momento as energias são mais tranqüilas e favorecem o trabalho interior. Se não forem viáveis, escolha outra hora. O importante é manter a regularidade.


Reserve um espaço apenas para meditar, nem que seja um pequeno canto. Crie um ambiente inspirador, que o motive a retornar para meditar. Se desejar, monte um pequeno altar com imagens de divindades ou símbolos significativos, flores frescas, incenso, o que agradar. Esse é o espaço de seu encontro consigo mesmo.

Se possível, tome um banho e vista uma roupa limpa. Separe uma roupa apenas para praticar meditação. Evite o pijama porque ele sugere sono.

Faça alguns alongamentos antes de sentar-se com a coluna, a cabeça e o pescoço alinhados. Apóie as mãos sobre as coxas.


Sinta-se confortável na posição. Use uma almofada firme, que dê a sensação de estabilidade – cadeira, poltrona, o que quiser, mas evite meditar na cama. Mantenha os olhos fechados ou semi-abertos. Se sentir sono, abra-os. A meditação é para despertar, não para dormir. Preste atenção na respiração. Sinta o ar entrando e saindo pelas narinas, o trajeto dentro de você, a temperatura. Apenas observe, sem alterar o ritmo.


Quando pensamentos vierem à mente, volte a se concentrar na respiração. Você pode imaginar que, ao inspirar, a pureza entra em seu corpo e, ao expirar, as tensões são liberadas. Faça isso por 15 minutos ou até sentir que a mente se aquietou. Aumente o tempo gradualmente. Encerre com um agradecimento ou uma oração pela saúde de todos os seres humanos e da natureza. Mexa braços e pernas devagar e volte para sua rotina.


Acredito que tudo o que podemos fazer para nosso bem (e do universo) São peças chaves e fundamentais para vivermos melhor, contribuindo com um mundo melhor. Vamos lá! Experimente! Comece agora, já e VIVA MELHOR!

Namastê**.


** Significa “O Deus que habita em mim, saúda o Deus que há em você”.

Um comentário:

Sandra disse...

Seu blog é ótimo, obrigada por tantas coisas que só edifiicam, parabéns pelo excelente trabalho Adriana.
Abç

Sandra

Related Posts with Thumbnails

Vídeos

Loading...